Home / Colunistas / BRINQUEDOS DE PLÁSTICO E SEU PERIGO ESCONDIDO

BRINQUEDOS DE PLÁSTICO E SEU PERIGO ESCONDIDO

Quem tem criança em casa sabe a infinidade de brinquedos que o mercado oferece ainda mais aqueles de plásticos maleáveis e com “apitos”, que quando apertado emite um ruído, as crianças amam, não é mesmo? Melhor ainda é quando podemos dar banho em nossos filhos e levar esses brinquedos juntos, assim distraindo a criança na banheira ou no box enquanto as lavamos. Mas já repararam que com o tempo pode começar a aparecer umas manchas pretas nos brinquedos?
Os bolores (fungos) são seres vivos que necessitam de poucos nutrientes para crescer. Neste caso a presença de umidade por um tempo excessivo e constante, proveniente de água ou mesmo da saliva, possibilita o desenvolvimento dos mais variados bolores. A coloração preta é devido ao acúmulo de milhões de esporos (sementes) juntos.
A eliminação deste crescimento pode ser feita de dois modos. O primeiro seria a adição de produtos fungicidas, o que não é recomendado devido à toxicidade destes produtos que irão ter contato com as crianças. O segundo e mais seguro seria a lavagem, a eliminação de resíduos de água interna e também a secagem completa e constante deste brinquedo, que pode ser através do secador de cabelo ou até mesmo deixar no sol para secar por inteiro. Para secar mais fácil pode-se retirar o “apito” existente para facilitar a saída da água.
As mamadeiras e chupetas também podem apresentar este problema. Se permanecerem molhados e sem ventilação logo apresentarão fungos. Estes materiais devem ser trocados quando estiverem com a coloração diferente e um aspecto de gasto.
Os brinquedos mais propensos a ficarem sujos são, principalmente, os de difícil limpeza ou secagem, como os que possuem os “apitos”, pois existe a entrada de água e o “apito” dificulta a sua eliminação.
É importante a criança ter contato com germes do meio ambiente, vegetação, animais, terra, areia, mas de modo algum, contato direto com uma cultura de microrganismos, como no caso destes bolores. Isso pode ocasionar vários tipos de micoses dependendo do bolor, como processos alérgicos, aspergiloses pulmonares, entre outros.

Maria Júlia Sieburth – Biomédica – CRBM 32331
Especialista em Biologia Molecular, Imagenologia com ênfase em Tomografia Computadorizada e Patologia Clínica
Docente dos cursos técnicos em Análises Clínicas, Estética, Química e Radiologia
mjsieburth@gmail.com

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *